Conteúdo Orientações Tudo

3 erros técnicos no seu conteúdo de mídia indoor

caminho_errado

Se você é operador de digital signage, com certeza já deve ter reparado em telas de sinalização digital aonde você não conseguia ler o que estava escrito, pois as letras estavam muito pequenas, ou então por que havia muita informação e a tela mudou antes de você terminar de ler.

Estes e outros problemas técnicos são muito comuns de serem observados no mercado, porém são simples de evitar, apenas adotando boas práticas e algumas regras na hora da criação do conteúdo de mídia indoor.

Já mostramos anteriormente alguns problemas do conteúdo de digital signage, porém mais relacionados à questões estratégicas do negócio, como por exemplo as dores de cabeça que a falta de atualização remota do conteúdo pode causar, ou por que devemos usar um call-to-action nas mídias.

Já neste post, iremos abordar os problemas técnicos encontrados em um conteúdo de mídia indoor, e como resolvê-los para que a sua mensagem seja corretamente exibida e compreendida. Continue lendo e conheça as 3 principais falhas técnicas observadas no mercado.

Erros técnicos do conteúdo de mídia indoor

Borda de segurança

Empresas de MDOOH utilizam os mais variados tipos de telas para seus pontos, como monitores de informática, telas LCD normais, smart tvs ou telas profissionais próprias para conteúdo de mídia indoor, que variam desde 19” até mais de 60”. Estas telas são fornecidas por diversos fabricantes e as vezes não é possível padronizar o mesmo modelo de tela em todos os seus pontos, mesmo porque os modelos entram e saem de linha muito rapidamente.

Toda esta variação de tipos, marcas, modelos e tamanhos inevitavelmente faz com que as empresas de TV indoor tenham que se adequar a pequenas variações técnicas.

Uma das variações com as quais estas empresas devem se preocupar é a área de exibição do vídeo. Cada tela pode “cortar” um pedaço maior ou menor das bordas da imagem. Algumas telas permitem uma configuração geralmente chamada “scan” ou “varrer”, que garante que todos os pixels da imagem sejam exibidos. No entanto, isto não é um padrão e sempre há o risco da tela perder esta configuração e passar novamente a não exibir parte do vídeo. Por isso, por medida de segurança, é importante produzir seus conteúdos com a chamada borda de segurança.

Ela deve ter cerca de 4% da largura ou altura da imagem. Nesta borda de segurança, é importante que não sejam posicionados textos ou imagens importantes do seu conteúdo de mídia indoor out of home, pois se a tela onde o conteúdo for exibido cortar esta área, seu espectador não conseguirá ler ou compreender totalmente o conteúdo. A imagem a seguir é um dos exemplos de mídia produzida levando em conta a borda de segurança:

conteudo de midia indoor

Um teste interessante para se fazer a cada novo modelo de tela da sua rede de mídia digital OOH, é reproduzir um gabarito de borda na programação do seu player, e observar se há alguma perda nas bordas da imagem, e quantificar esta perda para considerar posteriormente na produção dos conteúdos para aquele modelo de tela. Um exemplo de gabarito de bordas está disponível para download no seguinte link da Progic:

Gabarito de Bordas

Tamanho da fonte

Ao pensar no conteúdo de mídia indoor, deve-se levar em consideração o tamanho da fonte da mensagem. Pode parecer um detalhe, mas de nada adiantará uma tela moderna e uma estratégia certeira, se ninguém conseguir ler a mensagem criada. Para decidir o tamanho da fonte, é preciso levar em conta a distância que o espectador estará da tela.

Você pode calcular o tamanho da fonte que precisará usar, de acordo com as seguintes fórmulas:

  1. A altura da fonte em milímetros multiplicado por 0,4 te dará a distância da tela para uma leitura confortável em metros;
  2. A altura da fonte em milímetros multiplicado por 0,6 te dará a distância máxima da tela para leitura em metros.

viewing-distances

Assim, por exemplo, para termos uma leitura confortável de uma tela há 10 metros, iremos precisar criar uma fonte com o tamanho de:

EQ1

EQ2

EQ3

Portanto, para se ter uma leitura agradável há 10 metros da tela, o tamanho da fonte exibida na tela terá que ser de 2,5 centímetros ou maior, lembrando que este tamanho irá depender da resolução da TV.

É sempre bom produzir conteúdos considerando a distância recomendada, e não a máxima. Portanto, use o multiplicador 0,4 e não o 0,6.

Quantidade de informação

bad_layout2

Em indoor mídia, a programação tem que ser dinâmica. É raro conteúdos ocuparem a tela por mais de 20 ou 30 segundos. Portanto, os textos que forem exibidos devem estar adequados para a leitura neste tempo. Recomenda-se que:

  • Os textos, preferencialmente, não devem ter mais de uma afirmação;
  • 2 ou 3 linhas são suficientes para transmitir uma informação;
  • Quanto à duração do conteúdo, considere que, em geral, as pessoas leem em média 150 a 200 palavras por minuto, ou 50 a 67 palavras a cada 20 segundos;
  • Resuma a informação de forma inteligente, usando as ideias e palavras-chaves principais;
  • Lembre-se que os textos que serão exibidos devem estar adequados ao contexto visual do conteúdo, ou seja, ao seu design. Portanto, vale a máxima do design que diz que “menos é mais”.

Uma das razões para não utilizar textos longos em conteúdo de mídia indoor é o fato de que quem está lendo sabe que aquele conteúdo pode acabar a qualquer momento. Se o texto for longo, o leitor pode não se engajar na leitura por achar que o texto vai sumir na metade deste processo. Outra razão para pensar em textos pequenos é o local onde está instalada a tela. Se o local possui apenas um público passante, ele não terá tempo para ler um texto longo.

O que você achou das nossas dicas? Evite esses erros e você não terá dores de cabeça na hora de colocar no ar um conteúdo de mídia indoor!

 

Sobre o autor

Felipe Machado von Hertwig

Felipe Machado von Hertwig

Coordenador de suporte na Progic Tecnologia e especialista de produto. Bacharel em Sistemas de informação e pós-graduado em segurança da informação.

Deixe seu comentário

7 Comentários